Home – WFA

WALKING FESTIVAL AMEIXIAL

A caminhar há mais de 2500 anos....

O FESTIVAL

Em 2013, numa conjuntura de vontades e interesses, duas pessoas com trabalho em curso no interior do Algarve, mais precisamente na freguesia do Ameixial (Loulé), lançaram a ideia de realizar um festival de caminhadas à Câmara Municipal de Loulé e à Junta de Freguesia local,. O objecto era – e ainda é – o de revelar a riqueza natural e cultural deste território, contribuir para a dinamização da economia local, sensibilizar para a sua valorização sustentável, neste caso através do ecoturismo e do turismo cultural.

A ideia do Walking Festival Ameixial (WFA)/Festival de Caminhadas do Ameixial ganhou de imediato o apoio das referidas entidades, da população de Ameixial e de muitos simpatizantes que desde então nunca mais pararam de ajudar o festival e visitar anualmente esta freguesia.

O festival de caminhadas inspirou-se no conceito dos “Walking Festival’s” que ocorrem noutros países e tem como princípios base: juntar amigos num determinado território para fazerem caminhadas, dar a conhecer os valores da região, apoiar a economia local, e sensibilizar as comunidades e as entidades para a salvaguarda do património e para o desenvolvimento de práticas ambientalmente sustentáveis e valorizadoras para o território.

A singularidade específica da escrita do Sudoeste algo muito localizado neste território Serra, foi a escolha consensual para a identidade do festival. Esta forma de escrita milenar é assim o elemento especial que diferencia este festival dos demais. Desde então acompanha-nos em todas as edições do Walking Festival Ameixial e transporta-nos para um território rico em elementos patrimoniais únicos.

O primeiro evento foi um sucesso e acolheu largas dezenas de participantes de todo Algarve e outras partes do país. Desde então tem vindo a crescer e a ganhar notoriedade regional e nacional.

Ameixial

A aldeia, sua história e localização

8ª Edição WFA 2021

Nos dias 8 e 9 de maio dias regressamos em segurança ao Ameixial, num num formato minimalista e cumprindo todas as normas da DGS relativas à Covid-19.

Áreas de intervenção

Turismo de Natureza

Durante o festival promovem-se dezenas de caminhadas e actividades de observação e explicação da fauna e da flora espalhadas pela freguesia de Ameixial.

Ecoturismo

O festival tem um importante contributo na sensibilização ambiental dos participantes sobre a Serra do Caldeirão, sobre os seus valores biológicos e culturais, e porque todos anos promove acções práticas de conservação da natureza.

Turismo Cultural

No festival também se fazem actividades de contemplação e interpretação do património cultural arqueológico, etnográfico e arquitectónio, com destaque para a escrita do Sudoeste, elemento identitário deste evento desde o seu inicio.

Valorização do Interior

A essência deste festival é precisamente a de revelar os segredos e os valores deste belo território, de assim se sensibilizar para um desenvolvimento sustentável.

Turismo Responsável

Além de se promover um conjunto de actividades de grande qualidade para quem nos visita, envolvemos a comunidade residente de Ameixial no evento, apoiamos as suas actividades, geramos receitas aos negócios locais e ajudamos a valorizar o seu conhecimento do território e das práticas tradicionais.

Inclusivo, multicultural e acessível

Este festival é para todos, mesmo aqueles com limitações de mobilidade e constrangimentos sensoriais. O usufruto da natureza e da cultura é um direito precioso que deve estar ao alcance de todo ser humano, independentemente da idade, cor da pele, sexo, religião ou limitações físicas. Neste evento trabalhamos no sentido de o tornar o mais universal possível

Desde 2015 a promoção e organização do WFA está a cargo da QRER (Cooperativa para o Desenvolvimento dos Territórios de Baixa Densidade), organização da qual a equipa original do festival faz parte. Através desta cooperativa, a capacidade operacional e organizativa viram-se reforçadas com a participação de outros companheiros e novos apoios, nomeadamente da Região de Turismo do Algarve. 

A partir de 2014, após o sucesso da 1ª edição, o WFA viu surgirem outros eventos similares. Nesse mesmo ano, Alcoutim promove o seu 1º festival e em 2015 Pampilhosa da Serra inicia também os seus eventos. Em 2018, numa iniciativa pioneira no Algarve (e em Portugal), juntámo-nos com o Município de Alcoutim e com a Associação Almargem, criando a marca Algarve Walking Season, com o objectivo de promover a articulação entre festivais. Nesse mesmo ano, realizou-se uma nova edição do “Festival de caminhadas de Alcoutim e Sanlúcar de Guadianano sotavento, e de forma a chegar ao barlavento Algarvio, a Almargem inicia o 1º festival de caminhadas “Barão de São João – Walk & Art Fest. Nasceu, assim, o AWS, projecto coordenado pela QRER, com o apoio da Região de Turismo do Algarve, que ainda hoje se mantém em actividade

Hoje o WFA não está isolado. Insere-se numa pequena rede de outros eventos similares que procuram igualmente promover e apoiar o desenvolvimento sustentado do interior algarvio. Além de haver um esforço conjunto de promoção dos eventos, há articulação de datas, actividades e uma relação de entre-ajuda na melhor concretização dos eventos.

Paisagem e Memória

A partir da escrita do Sudoeste, o Festival de Caminhadas juntou arte, património e caminhadas.

A misteriosa escrita do Sudoeste

Durante a Idade do Ferro, a Península Ibérica é palco de grandes inovações tecnológicas e transformações culturais associadas aos contactos comerciais, realizados por mar, com os povos do Mediterrâneo.

Há mais de 2500 anos atrás, no Sul de Portugal e na Andaluzia, as comunidades humanas transformaram e adaptaram o alfabeto fenício para criar uma escrita própria à sua língua: a escrita do Sudoeste.

Concentrada na serra entre o Algarve e o Baixo Alentejo, esta escrita aparece em blocos de pedra que se fixavam no solo (estelas), e era escrita em arco, de baixo para cima e da direita para a esquerda. Conta com 27 signos, entre vogais, consoantes e caracteres silábicos, alguns com equivalências a algumas letras do nosso alfabeto. Ainda assim, a escrita do Sudoeste continua indecifrável e misteriosa.  

Desde a descoberta da primeira estela com escrita do Sudoeste, em 1897, até aos nossos dias são conhecidas 15 estelas com escrita do Sudoeste no concelho de Loulé divididas em dois conjuntos: o de Benafim/Salir e o de Ameixial.

A escrita do Sudoeste é a voz que nos aproxima dos pensamentos e modos de vida do passado. Um dos mistérios e um dos maiores tesouros da arqueologia europeia; uma realidade arqueológica de cariz excepcional; uma imagem de marca desta serra e um símbolo privilegiado da herança histórica do Algarve. Ela é, afinal, a primeira manifestação de escrita da Península Ibérica e está ainda hoje por decifrar.

O aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira pretende valorizar e promover todo um território e o património local e regional a nível internacional, contribuindo em particular para o estudo e a preservação do património geológico e cultural existente.
Assente na criação de conhecimento científico e educativo pretende ainda contribuir para o aumento do sentimento de orgulho e pertença dos habitantes deste espaço; fortalecer a identidade do território; potenciar a criação de iniciativas locais e inovadoras dinamizadoras da economia local; desenvolver novas fontes de receita geradas através de atividades de animação turística; bem como proporcionar um desenvolvimento socioeconómico e sustentável; incentivar a fixação de pessoas; e fomentar a promoção da sua qualidade de vida.
É nesta estratégia para uma maior coesão social e territorial dos concelhos de Loulé, Silves e Albufeira que estão previstas um conjunto de políticas e iniciativas de educação e sensibilização ambiental e de atividades de geoturismo, onde também se integra o
Walking Festival Ameixial.

Os Percursos

São 4 os percursos pedestres sinalizados que permitem caminhar no Ameixial durante todo o ano

INSCREVA-SE JÁ PARA A EDIÇÃO DE 2021

Organização

A organização do WFA está a cargo da cooperativa QRER

Parceiros

São vários os parceiros que tornam este evento possível

Apoios

Os apoios recebidos por várias entidades viabilizam o evento